segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Três atos

Sai uns dias, às ruas, de peito aberto.
Como não havia ferida,
o sol aquecia e tudo podia.
Um dia.

Sai as ruas...Á porta, cabeça baixa, mão no batente, agarrando  o ar a força, boca entreaberta em esforço
 - segura o frio oxigênio no tambor do peito.
Solenemente, veste a máscara.

Sai às ruas de ombros arqueados.
No falso sorriso,
 um costume verdadeiro.
Vida de gado, é vida?


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta aqui: