sexta-feira, 23 de março de 2012

Nobre ofício

 I

O meu primeiro encontro foi surpreendente.
Como uma pele que recobre carne, pode ser tão saborosa?
E que cor era aquela(!) (?), vermelho-assanhado,
colorindo toda a cabeça.

II

Língua de palato aberto, limpo e úmido,
de se mover lento -
despertando imediatamente uma mater – urgência
no corpo alheio.

III

Provada a dureza tesa do desejo 
feito da mais pura vontade,
meus olhos partem para o todo –
colhendo a reação jocosa, 
de traços no rosto,
um som prolongado 
e emudecido na boca.
Eyes wided open, bebendo 
o meu efeito em ti,
que é resposta as delícias 
que tu escondias
entre as costuras das calças jeans.

IV

Eu desembalo minha fruta predileta.
E o levo a boca.
Entre os lábios.
Desabrocha rubro e teso
Orvalhado de desejo.
Todo prosa.

V

E se te faz águas:
é porque sou mar.
E assim nos lavamos,
Nesse leva e traz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta aqui: