sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

So...




Eu posso dizer que sou dedicad@, de coração,
que erro e acerto,
que funciono movida @ cuidado e afeto.
E não espere que eu peça nada do que não mereço.
Na verdade, não espere que eu peça:


retribuição é cláusula sine qua non,
nessa peça.
Não espere que eu aguarde atenção,
Tudo que dou retiro,
sem hesitação 
quando me convenço de que,
afinal,
não merecem de todo,  
meu tempo e consagração.

Da pitanga

Eu gosto daquela pitanga que de tão madura,
vestida daquele vermelho carnudo e apetitoso 
quando você toca suave (carícia de vento),
ela se entrega toda,
e cai dada e solta ,
na palma da mão.

A diva

Eu perguntei para ela: "_Mulheres irresistíveis..? E retóric@, sugeri Madonna.
Ela respondeu: “_Da Madonna tenho medo.” E riu-se.
Eu disse: “Eu não teria medo... Só não sei se teria fôlego”

Não a opressão



Eu sou alérgic@ a cobrança e a
qualquer forma de opressão.
Tenho quase choque anafilático,
Mas, como tenho opção
rompo a tentativa de chave de braço
com um belo empurrão.

Ojos



Eu gosto
dos teus olhos de personagem de mangá,
ou deles pequenos de gueixa latina, manifestando a
vontade contida.
Eu gosto quando teu corpo se manifesta,
aceso,na ponta dos meus dedos.


Afffffff


Cansei dessa gente chata,
que fala pelos cotovelos
joelhos e tornozelos...

Cozinhando

Surpreender-se é:
 acordar o sentido.





Consumação

Eu me desoriento quando faço sexo com a moça-mulher...
O prazer que vem dela, alto, no ouvido,
A voz dela, contralto mezzo soprano, ...
O entusiasmo ali -
duro, rijo, e afogueado,
na minha pele -
penetra no sangue, ansioso,
 e me faz abrir mais espaços
para recebê-la,
ou me garante
mais força para
meter-nela.