segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

E pensar...

E pensar que eu me fingi de desentendid@, não aceitei, nas palavras dela: "dar uma escapadinha para pegar umas laranjas no fundo do terreno", em determinado churrasco, nos interiores do Estado, com a charmosa dona desse lindo braço belamente ornado ...Porque eu estava casad@.

E pensar que eu diria não de novo,
se casad@ o fosse.


Minha mãe deve ter "amarrado" meu caminho ao de Nossa Senhora d@s Inveterad@s Crentes quando nasci...

Que tipo de "trabalho" devo fazer para me libertar e agir na volúpia do impulso?
Mas que é charmosíssima, e quase irresistível, ... Isso, sem dúvida, absolutamente, nenhuma, é. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta aqui: